Dica de filme: “Oh boy” (2012)

Semana passada fui ao cinema e vi “Oh Boy” (2012), um filme alemão recém-lançado aqui. Niko, protagonista vivido pelo ator Tom Schilling, largou a faculdade de direito e vive um momento de crise existencial. Vagando por uma Berlim retratada em preto e branco em mais um dia de cão, tenta comprar um simples cafezinho no café mais próximo. O que ele não esperava era ter que pagar 3,40 Euros por um espresso. Pô, Berlim não era pobre?

A barista tenta explicar a diferença entre os vários tipos de café ali oferecidos. Mas não. Niko quer apenas um café normal, preto. “Temos leite de soja!”, diz a moça. Não, peloamordedeus!

Ou quando ele vai a hamburgueria mais trendy de Berlim, White Trash, e a rude garçonete, provavelmente americana, o atende em inglês, muito embora ele fale alemão com ela. Na boa, Niko, se você não tivesse ido àquela cafeteria trendy ou à hamburgueria trendy, eu não estava aqui falando sobre isso.

Depois fui me dar conta de quantos filmes vi nos últimos três anos que têm a capital alemã como pano de fundo. Muitos. Estariam os roteiristas alemães meio limitados das ideias ou seria a cidade o cenário ideal para falar sobre algumas problemáticas das metrópoles modernas?

Não, minto. Alguns filmes que eu vi se passaram em Hamburgo. Mas quem liga? Berlim é a cidade do momento. Todas as nações do mundo se encontram ali e há mais tolerância ao novo do que em qualquer outra capital européia. A cidade vive todos os tipos de boom: imobiliário, turístico, histórico, fashion.

Mais do que tudo, Berlim também combina muito com a crise. Berlim é “pobre, mas sexy”, e esse slogan cai muito bem para os jovens europeus que, sem emprego, tentam se encontrar em uma grande massa de proletariado criativo, envolvidos em “projetos paralelos”.

Quer uma carreira? Vai para Düsseldorf ou Munique. Quer uma vida lúdica, dinâmica, colorida? Vai para Berlim – e receba ajuda social. Brincadeirinha.

Afinal, qual é a de Berlim? Lembra daquela história de que os parisienses são mal humorados e deixam suas mochilas e bolsas no banco vazio no trem lotado? Agora tem o “echter Berliner”, o verdadeiro berlinense. Ele não tolera mais o deslumbre dos turistas e o preço inflacionado de tudo o que na verdade era dele, só dele. Ele é chato e rabugento. Ele está em extinção.

De quem é a cidade? De quem é a metrópole? Berlim é de todos.

Texto escrito essa semana para o Blog do Noblat.

“>http://www.youtube.com/watch?v=OHrZtRt5EKc&noredirect=1]

Até certo momento você pensa que o filme não vai abordar nada histórico e que a cidade é apenas um cenário para um dia de cão do personagem de Tom Schilling, em uma vibe meio filme de Woody Allen. Mas não. É impossível falar de Berlim sem tocar no passado, na sua história. Berlim é história e, principalmente, muito recente. Acho que nunca vi Berlim tão boêmia em um filme antes. Vale a pena!

About these ads
Esse post foi publicado em Cinema e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Dica de filme: “Oh boy” (2012)

  1. Tom disse:

    Excelente seu post. Parabéns!

    Conheça a Incrível TV2010 com mais de 10 mil canais ao vivo sem mensalidades!

    TELECINE, HBO, CINEMAX, MEGA PIX, AXN, TCM, TNT, MGM, CANAL BRASIL, etc.

  2. Ana Jähne disse:

    “ein mal soya mllch?””bitte nicht” … adorei o trailer. vou catar pra ver! =)

  3. Emilia disse:

    Berlin é minha! Disso eu sei! É história, é presente, é lamento e também escuridão, islamismo, moda, arte, cultura, jardins, jogging, vida noturna, jovem e antiga, bicicleta, luz, luz luz luz! E, na sua tristeza alegre, Berlin é mais do que isso: é o maior expoente de uma Alemanha moderna, renovada, sem culpa. É, enfim, café de quase quatro euros.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s